Presidente da Nigéria pressionado a demitir-se

Mundo

O presidente da Nigéria, Muhammadu Buhari, disse que é injusto culpá-lo pelas acções de pastores muçulmanos suspeitos de terem realizado uma onda de assassinatos contra as comunidades agrícolas que professam o cristianismo no centro do país.

Apontam-se como causas dessas tensões as diferenças étnicas, religiosas e políticas, que têm vindo a causar milhares de mortes nas últimas décadas.

Segundo a CNN, Buhari enfrentou várias críticas na media social nigeriana pelo seu silêncio sobre a violência, que muitos acreditam estar sendo realizada por pastores de gado da tribo Fulani. Nigerianos estão zangados com a relativa facilidade com que os pastores atacam repetidamente comunidades vulneráveis e acreditam que poucas prisões foram feitas.

Nas mortes mais recentes, a polícia disse que 86 pessoas foram mortas, mas moradores daquela comunidade dizem  que o número de mortes é muito maior, cerca de 200 pessoas.