Sexta-feira, Fevereiro 23, 2018
Home > Opiniões > O FUNCIONÁRIO PÚBLICO E A COLONIZAÇÃO DIGITAL

O FUNCIONÁRIO PÚBLICO E A COLONIZAÇÃO DIGITAL

O uso das tecnologias de informação e comunicação estão a declinar o atendimento dos utentes que procuram os serviços da Administração Pública em Moçambique.

Ora vejamos, a hora de atendimento aos utentes na função pública é 07:30, mas até as 08:00 os funcionários estão nas redes sociais WhatsApp, Facebook, Instagrams entre outros.

Para não falar que os mesmos funcionários acabam metendo nas suas mentes que entram as 07:30, mas na verdade entram as 07:00 os trinta minutos servem para organizar as suas secretarias. Deixemos isso a parte.

A verdade que não me deixa calar é como os funcionários usam as redes sociais, deixando o cidadão a espera por muito tempo só porque querem postar uma fotografia no Facebook e actualizar a foto do perfil do WhatsApp para depois assistir um vídeo em directo no Instagrams.

Num sector onde trabalham aproximadamente quatro pessoas três estão viradas aos seus smatpones, significa que, se nesta instituição tem 40 funcionários 30 estão nas redes sociais e os outros 10 se não estão nas redes sociais se não tem pelo menos um telefone que tem internet.

Por tanto, tratando se de algo que ainda é novo para a realidade moçambicana, digamos que estamos numa fase de colonização digital.

Algo de bom que os funcionários públicos tinham que seguir como exemplo seria colocar no silêncio os telefones em reuniões assim como nos lugares de culto tais como mesquitas e igrejas e reduzir o tom de chamada durante a hora normal de expediente, o tom alto só agrada o dono.

Hoje em dia os telefones são comprados tendo em atenção dois motivos, uma boa flex para as famosas selfs e uma boa memória para guardar as selfs, não interessa se o telefone faz sms, ou faz chamadas.

Como devemos reverter essa situação?

Algy Injoma

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *